A Vida é Feminina

certificada 2009

Instituição
Escola de Dança e Integração Social para Criança e Adolescente (EDISCA)
Endereço
Rua Desembargador Feliciano de Ataíde, 2.309 - Água Fria - Fortaleza/CE
E-mail
edisca@edisca.org.br
Telefone
(85) 3278-1515
Responsáveis pela tecnologia
NomeTelefoneE-mailRedes Sociais
Dora Isabel do Araújo Andrade(85) 3278-1515edisca@edisca.org.br
Resumo da Tecnologia

O projeto atende mulheres, mães de crianças da EDISCA, com um conjunto de ações integradas nas áreas de educação, saúde e profissionalização básica, desenvolvendo competências familiares para educação de jovens e promovendo o desenvolvimento humano através do enfoque de gênero e cidadania.*{ods4}*

Tema Principal

Educação

Problema Solucionado

Famílias em situação de pobreza, excluídas do sistema de proteção social, veem seus vínculos fragmentados, suas competências desconsideradas, seu acesso reduzido para garantia de direitos básicos de saúde, educação, produtividade e representação coletiva. Na EDISCA, 53% das mães de crianças atendidas possuem até seis anos de estudo e 15% não possuem escolaridade formal. Segundo avaliação do projeto para 2011, 59% das mães são donas de casa, sem contribuir para a renda da família mantida precariamente apenas pelo pai, o que compromete a autonomia das mulheres e a qualidade de vida. Mais de 80% dos atendimentos do setor de psicologia estão relacionados a problemas da dinâmica familiar, desde dificuldades de comunicação até violência doméstica. Metade das mães afirma usar violência para educar os filhos. Estas questões geram problemas de várias ordens no âmbito familiar e comunitário. Pesquisas veem correlação clara entre o nível de educação das mulheres e a melhoria da saúde e nutrição da população, bem como redução da taxa de fecundidade. Outro fator que justifica a opção pelas mulheres é que estas, junto com as crianças, são as principais vítimas da violência doméstica e soci

Objetivo Geral

Inclusão social de crianças e adolescentes pelo acesso a direitos.

Objetivo Específico

-Aquisição de competências individuais relacionadas ao autocuidado, educação e profissionalização básica; -Desenvolvimento de competências interpessoais para a inclusão social e educação de crianças e adolescentes; -Desenvolvimento da produtividade para o trabalho em empreendimentos pessoais e coletivos.

Solução Adotada

É consenso que a missão de educar crianças e adolescentes realiza-se em rede através da articulação e atuação conjunta de instituições, sendo a família a mais básica e estruturante. A partir dessa constatação, deparamos com a necessidade de criar oportunidades educativas para as famílias, para que estas, utilizando as competências desenvolvidas ou fortalecidas possam atuar de forma a melhorar as condições de vida de crianças e adolescentes. Na Edisca, a partir de 1998 foram implementadas ações junto às famílias, com a criação de oportunidades no ambiente da instituição e nas comunidades. O objetivo foi gerar discussão, informação e sensibilização sobre direitos como educação, dinâmica familiar, saúde, trabalho e renda, dentre outros. As mães de educandos atuaram na articulação dos encontros na comunidade, que aconteciam em cooperativas e residências, convocando as pessoas para participação. A culminância desse processo foi a implementação em 2003 do programa “A Vida é Feminina”. Criado para responder às necessidades de ampliação e fortalecimento de uma prática anterior junto às famílias, hoje se configura como um conjunto de ações contínuas e integradas. O itinerário formativo possui um eixo profissionalizante, outro de fortalecimento da educação formal e, por fim, o eixo socioeducativo, com grupos de convivência, oficinas de gestão básica e educação jurídica. As educandas também contam com atendimento em nutrição e saúde. O diferencial desta proposta encontra-se na promoção do acesso a direitos através do desenvolvimento de competências nos campos cognitivo, pessoal, relacional e produtivo, considerando-as integralmente e em relação dinâmica com o contexto social, econômico e cultural. A metodologia proposta no projeto caracteriza-se pelo trabalho com grupos sob o enfoque de desenvolvimento pessoal e social. Esse aspecto é fortalecido no eixo socioeducativo. O caráter processual e de continuidade destes grupos fazem a diferença em relação a projetos pontuais ou periódicos de enfoque específico (sexualidade, ecologia, saúde, terceira idade), porque ampliam as possibilidades de transformar percepções e valores. O desenvolvimento de trabalho com grupos baseia-se na articulação entre subjetividade e transformação social. Qualidade de vida e saúde serão sempre projetos individuais e coletivos. As políticas sociais devem focar a construção de consciência e identidade coletiva, com itinerários que promovam informação, reflexão e intervenção. Enquanto o discurso das famílias/pessoas permanecer no campo das queixas e necessidades individuais, não se faz a transformação para o campo dos direitos. Os resultados constatados convergem diretamente para melhora nas condições de vida das famílias, posto que as mulheres passaram a investir em estratégias promotoras do acesso aos direitos sociais básicos. O itinerário formativo envolve de forma contínua, simultânea e processual, 50 mães e/ou responsáveis por educandos da Edisca em um conjunto de atividades : Fortalecimento do ensino formal e informática educativa Oficinas profissionalizantes Grupos de convivência e oficinas de educação jurídica Educação para a saúde e orientação em saúde reprodutiva Oficinas de empreendedorismo e gestão de pequenos negócios As áreas de profissionalização escolhidas, higiene/beleza, costura/ estilismo e culinária, estão relacionadas ao cotidiano e são de fácil operacionalização por não exigirem necessariamente inserção no mercado formal de trabalho. Além disso, alguns aspectos foram considerados: baixa escolaridade das mães (em média 6 anos de estudo), a grande maioria nunca trabalhou (80%) e nem fez algum curso profissionalizante (92%).

Resultado Alcançado

Indicadores de avaliação de resultados no desenvolvimento de competências individuais: - 82% das educandas estão trabalhando atualmente. Considerando que 31% afirmam já trabalhar antes do ingresso no projeto, temos uma elevação de 51% na produtividade geral. 67% destas mães estão trabalhando em áreas de profissionalização do projeto (beleza 37,50% e culinária 29,17%), gerando um aumento médio de 70% na renda familiar; - Conforme dados colhidos em entrevista, 58% das mães relatam que contribuem para elevação da renda familiar; - 100% das mães afirmam estar investindo mais nos cuidados com a saúde, aparência e conduta; - 69% das educandas afirmam que a autoestima melhorou em decorrência da participação no projeto. 85 % declaram ter autonomia para decidir sobre sua vida e a de seus filhos. - 65% das mães em dia com a prevenção ginecológica, e 69% em dia com a saúde oral (tratamento concluído). Indicadores de resultado no desenvolvimento de competências interpessoais: - 85% das mães relatam ter melhorado o relacionamento com os filhos pela ampliação das oportunidades de conversação sobre assuntos relacionados à saúde, educação e convivência social; - 75% relatam utilizar somente o diálogo para resolver conflitos com os filhos; - 100% das mães consideram que houve aumento no nível de informação sobre temas relacionados à educação dos filhos após ingresso no projeto; - 89% das educandas afirmam ter melhorado a participação na vida escolar dos filhos após ingresso no projeto; Todas as educandas declaram conhecer as situações de violação de direitos das crianças e adolescentes. -76%sabem como e onde denunciar maus tratos e violação de direitos de crianças e adolescentes; - 96% das educandas afirmam procurar imediatamente atendimento médico quando os filhos adoecem. Indicadores da avaliação do processo: - Trabalhamos com 50 mulheres em 2010. Já somamos 235 mulheres que passaram pelo projeto desde 2003; - Cada uma recebeu pelo menos quatro certificados de cursos de profissionalização em um ano. A carga horária média dos cursos foi de 80 horas aula; - Desde 2003 foram concedidos 40 prêmios no valor de R$ 600 cada para implementação dos projetos mais consistentes; - Elaboração de documento de sistematização da experiência.

Locais onde a Tecnologia Social já foi implementada
Cidade/UFBairroData da implementação
Fortaleza / Ceará08/2003
Público-alvo da tecnologia
Público alvo
Famílias de baixa renda
Quantidade: 0
Profissionais necessários para implementação da tecnologia
ProfissionalQuantidade
Coordenador geral – Graduado em psicologia, preferencialmente1
psicólogo – facilitação dos grupos de convivência1
técnicos nas áreas profissionalizantes3
profissional da área de educação – Formação em pedagogia ou letras1 técnico em informática – para capacitação em informática básica1
Recursos materiais necessários para implementação da tecnologia

Duas Salas de aula com capacidade para 20 educandos (máximo), dotada com cadeiras, quadro branco, birô e equipamentos para as oficinas; Material para uso nas atividades: papéis, canetas, lápis, giz de cera, pincéis atômicos, tesouras, réguas etc. Material para oficinas: específicos para cada oficina; Material pedagógico: vídeos, textos, jogos pedagógicos, material informativo na área de educação para as áreas de gênero, cidadania, educação e saúde; Apostilas específicas para as oficinas na quantidade do número de educandas; 10 computadores com acesso à internet; Uma sala de treinamento e capacitação: com capacidade para 50 pessoas Um projetor de slides Uma TV e um aparelho de DVD

Valor estimado para a implementação da tecnologia

R$ 121.991,20 ano

Instituições parceiras na tecnologia
Instituição parceiraAtuação na tecnologia social
UNICEFFinanciamento de 2003 a 2006
Governo do Estado do Ceará – Secretaria do Trabalho e Desenvolvimento Socialfinanciamento 2010, 2011
Universidade de Fortaleza / Escritório de Práticas JurídicasOficinas de educação jurídica
Governo do Estado do CearáSecretaria de Saúde – Acesso especial ao atendimento na rede pública de saúde
Forma de Acompanhamento

- Controle de frequência das atividades; - Fotos das atividades e eventos; - Reuniões com educandas e educadores; - Relatório técnico e financeiro a cada três meses; - Questionários de avaliação inicial (marco zero dos objetivos), de processo (metodologia, relações e conteúdos) e final (resultados); - Grupo focal a cada quatro meses; - Depoimentos ao final do processo; - Avaliação de desempenho das oficinas; - Relatório técnico e financeiro a cada três meses; - Certificação dos cursos profissionalizantes;

Forma de Transferência

Em 2007, 2008 e 2009 formamos cerca de 300 educadores de organizações governamentais e não governamentais que desenvolvem ou desejam desenvolver projetos sociais e educacionais com famílias. Dispomos de apostilas e textos para cada proposta, considerando o modelo de atendimento, se realizado em equipamentos públicos ou em associações e fundações. Sistematização do projeto em material impresso (manual) e CD. A estrutura adotada nas capacitações está formatada em três ciclos: Alinhamento conceitual e metodológico com módulos estritamente conceituais e teóricos sobre as concepções sustentadoras e a metodologia correspondente; Observação pedagógica e crítica das práticas na EDISCA; Assessoria na elaboração e implementação de projetos, bem como acompanhamento através de visitas técnicas.

Anexos da tecnologia
LegendaArquivo/Download
slidesdownload